Habilidades e Auto-aprimoramento Introversão Relacionamentos

Socializar ou não? Eis a questão!

Socializar ou não? Eis a questão!
Escrito por Marta Leite
Pesquisas indicam que socializar torna as pessoas mais felizes. Quando misturar-se faz um introvertido mais feliz? Aqui está a resposta de Susan Cain para esta pergunta.

Você está de pé na fila do caixa do supermercado, ponderando a lista de tarefas de amanhã. O caixa recebe você com um sorriso. Por cortesia, você se força a jogar um pouco de conversa fora – e sente-se curiosamente feliz depois. Há um grande sorriso em seu rosto quando você deixa a loja.

O que acabou de acontecer?

Um estudo famoso responde a esta pergunta. O pesquisador William Fleeson e seus colegas acompanharam um grupo de pessoas, a cada três horas durante duas semanas, registrando como elas agiram e se sentiram durante cada pedaço de tempo. Eles descobriram que aqueles que tinham agido “falante” e “assertivo” – mesmo que fossem introvertidos – eram mais propensos a relatar sentir emoções positivas, como excitação e entusiasmo.

Todos se sentem mais felizes quando socializam, concluíram os pesquisadores – introvertidos incluídos.

Então, os introvertidos deveriam se obrigar a participar de festas, mesmo quando preferem ficar em casa e ler? Isso é o que as pessoas geralmente consideram que essas descobertas podem significar.

Mas isso é uma interpretação muito branda. Aqui está o porquê.

Claro, socializar nos faz sentir bem. Às vezes vale a pena empurrar-nos. Somos todos animais sociais; Em algum nível, o amor é realmente tudo que você precisa.

Mas se do mesmo modo que a felicidade introvertida que resulta em seguida a essa troca agradável com o caixa da mercearia é real, assim também são os sentimentos da exaustão e do excesso de estimulação que vem com socializar demasiadamente. A tolerância para a estimulação é uma das maiores diferenças entre introvertidos e extrovertidos. Os extrovertidos simplesmente precisam de mais estimulação – social e de outra forma – do que os introvertidos. A pesquisa sugere que agir falsamente como extrovertido pode levar ao estresse, burnout e doenças cardiovasculares.

Tudo isso parece deixar introvertidos em um beco sem saída: socializar nos faz felizes – mas também sobre-estimulados e até ansiosos. Este conflito interior soa como uma dor enorme – uma razão para amaldiçoar os deuses por terem feito de você um introvertido.

Mas também pode ser um grande presente.

Muitos introvertidos encontram maneiras de gastar seu tempo que são profundamente satisfatório – e socialmente conectado -, mas onde não há conflito. Aqui estão cinco dessas maneiras:

  • Leia

Marcel Proust disse uma vez que a leitura é “aquele frutífero milagre de uma comunicação em meio à solidão”. Livros transcendem tempo e lugar. Eles nem sequer exigem leitor e escritor estarem vivos ao mesmo tempo. Estudos também sugerem que a leitura de ficção aumenta a empatia e habilidades sociais.

  • Entre em um estado de “fluxo”, fazendo um trabalho ou um hobby que você ama

O fluxo é o estado transcendente do ser, identificado pelo influente psicólogo Mihaly Csikszentmihalyi. Você está no fluxo quando você se sente totalmente envolvido em uma atividade – seja a natação de longa distância, ou a composição de uma música ou a vela oceânica. Em um estado de fluxo, você não está nem entediado nem ansioso, e você não questiona sua própria adequação. As horas passam sem que você perceba. Em fluxo, diz Csikszentmihalyi, “uma pessoa poderia trabalhar por dias a fio, por nenhuma razão melhor do que para continuar a trabalhar.”

As pessoas em fluxo não tendem a usar os sorrisos amplos de entusiasmo. Quando você vê-los em ação, as palavras “alegria” e “excitação” não vêm à mente. Mas as palavras “engajamento”, “absorção” e “curiosidade” fazem. Quando você está em um estado de fluxo, você não está socializando no sentido convencional da palavra, mas você está mergulhando no que o autor David Brooks chama o grande “rio de conhecimento” da humanidade.

  • Mantenha um sistema informal de quotas de quantas vezes por semana / mês / ano você planeja ir a eventos sociais

E com que frequência você fica em casa. Dessa forma, você não se sente culpado por recusar esses convites de festa. Quando você sair, espero que você vá ter um bom tempo e fazer um novo amigo que você não teria encontrado em sua iluminada sala de estar. A festa certa pode ser uma experiência deliciosa. Mas quando você não se diverte, é menos provável que fique louco pensando que deveria ter ficado mais um pouco. Sua noite foi o que foi, e isso é bom.

  • Tenha conversas significativas

Não obstante ao prazeroso bate-papo com o caixa de supermercado, a pesquisa sugere que as pessoas mais felizes têm duas vezes tantas conversas substanciais, e se envolvem em muito menos conversa fiada, do que as pessoas infelizes. (Os pesquisadores foram surpreendidos por suas descobertas, mas se você é um introvertido, você provavelmente não será!)

  • Despeje tempo e afeto nas pessoas que você conhece e ama

Pessoas cuja companhia seja tão querida e confortável que você não se sinta nem excessivamente estimulado nem ansioso em sua presença. Se você não lançar sua rede social muito distante, é mais provável você lançá-la mais profundamente – coisa que seus amigos e familiares vão apreciar.

Sim, o amor é tudo que você precisa. Mas o amor toma muitas formas.


Esse artigo foi escrito originalmente por Susan Cain para o Psychology Today.


Sua introversão tem afetado de alguma forma a sua vida, seja nas suas relações, família ou trabalho?

Gostaria de saber mais sobre a introversão e suas características?

Tem dúvidas ou sugestões?

Escreva-me pois eu posso ajudá-lo. Pergunte-me como enviando um email para introvertidamenteblog@gmail.com.

Esse artigo foi útil para você? Se foi, pode ser para outras pessoas também. Curta, compartilhe, comente e avalie!

Queremos fazer o melhor para você. Deixe aqui a sua avaliação do nosso conteúdo!

Queremos fazer o melhor para você. Deixe aqui a sua avaliação do nosso conteúdo!

Sobre o autor

Marta Leite

Marta Leite
Eu sou uma mãe, esposa, Life e Business Coach. Uma introvertida intuitiva – INFJ - dos Tipos Junguianos. Uma apaixonada, entusiasmada e curiosa pelo Desenvolvimento Humano.

Deixe aqui o seu comentário!

%d bloggers like this: