fbpx

Você é Introvertido ou Extrovertido? Clique no botão para fazer o teste e descobrir!

O QUE É UM INTROVERTIDO?

Segundo ao Dicionário Aurélio, introvertido pode ser definido como “Que ou quem tem a tendência de dirigir para o interior a sua atenção e a s suas emoções”(Psicologia). Entretanto, para compreendermos melhor o que é Introversão, precisamos conhecer a dimensão oposta à ela: a Extroversão.

Pense em ter uma preferência por Extroversão ou Introversão como destro ou canhoto. Naturalmente, o uso da mão dominante permite que você escreva com mais facilidade, rapidez e conforto. Isso não quer dizer que você nunca use a outra mão, mas usar a mão dominante é mais natural. A maioria das pessoas usa sua mão dominante quando precisa escrever, assim como a maioria das pessoas passa a vida naturalmente confiando em sua preferência por Extroversão ou Introversão.

De um modo geral, as noções de introversão e extroversão destacam a distinção entre eu (I) e mundo (E), indivíduo (I) e coletivo (E). As ramificações dessa divisão E-I podem ser facilmente observadas na vida cotidiana, especialmente na política. Muitas vezes ouvimos, por exemplo, pessoas reunindo-se por direitos individuais, liberdades individuais, privacidade pessoal e assim por diante. Palavras como “pessoal”, “privado” e “individual” nos levam ao fato de que uma perspectiva introvertida provavelmente está sendo discutida ou defendida. Do outro lado do espectro, vemos pessoas advogando por leis, sistemas e valores públicos ou coletivos. Estes representam uma abordagem mais extrovertida. Na política, assim como nos assuntos humanos cotidianos, vemos uma tensão e uma gangorra constantes entre os desejos do indivíduo e os do coletivo, entre perspectivas introvertidas e extrovertidas

A dimensão E-I também destaca uma distinção fundamental entre experiência interna (I) e experiência externa (E), subjetiva (I) e objetiva (E). Tais diferenças podem se tornar aparentes, por exemplo, ao discutir seus traços de personalidade com um amigo. Como você é o único a conhecer o mundo da primeira pessoa da experiência interior, pode ver e descrever sua personalidade de maneira bem diferente da de seu amigo. Isso parece particularmente provável se você é um introvertido, já que os introvertidos costumam sentir que os outros não os conhecem ou entendem por quem realmente são (ou seja, por si mesmos).

Nas últimas décadas, mais ou menos, as concepções de introvertidos e extrovertidos encontraram o caminho da obscuridade esotérica e do discurso cotidiano. Na opinião do público, os introvertidos são frequentemente concebidos como tímidos, acanhados, reservados e talvez um pouco nerds ou socialmente desajeitados. Programas de televisão como The Big Bang Theory hiperbolizam noções do introvertido nerd e estranho.

Os extrovertidos, em contraste, são comumente concebidos como mais expressivos, agressivos, populares e fisicamente impressionantes. Na cultura pop, atletas e líderes de torcida são frequentemente retratados como extrovertidos, enquanto os nerds e crianças artísticas são retratados como mais introvertidos.

Embora certamente exagerado por seu valor de entretenimento, há pelo menos um núcleo de verdade nessas representações; eles não são mera fantasia. Os observadores de pessoas certamente podem atestar a existência de diferenças de E-I, mesmo se tipicamente reveladas de maneiras menos caricatas.

Apesar da crescente conscientização pública das distinções de E-I, muitas pessoas lutam quando se trata de identificar sua própria preferência. Elas podem se esquivar ao se verem sendo representadas com imagens do introvertido estranho ou do extrovertido gregário. Para essas pessoas (e você pode ser uma delas), é necessária uma análise mais cuidadosa e detalhada.

Teoria de Jung de introversão e extroversão

Jung tinha muito a dizer sobre as diferenças de E-I. De fato, antes de desenvolver sua teoria das funções, ele viu apenas dois tipos principais de personalidade – introvertidos e extrovertidos. Em seu livro Tipos Psicológicos, ele explora extensivamente as diferenças E-I como manifestas na arte, poesia e filosofia. Embora seja certamente recomendada a totalidade do trabalho de Jung para os leitores interessados, o que é mais importante para o nosso objetivo aqui é a premissa fundamental de Jung de que E e I representam direções opostas de atenção e fluxo de energia.

Mais especificamente, Jung concebeu a energia e a atenção dos introvertidos como direcionadas para o interior – voltadas para o eu e seus interesses. Relacionado a esse foco interno, Jung associou introversão com profundidade e intensidade. Isso pode ser visto, por exemplo, na tendência do introvertido de investir muito tempo e energia em um único projeto, problema, pessoa ou área de interesse.

Por outro lado, Jung considerou o foco dos extrovertidos direcionado para o exterior, levando-os a agir mais extensivamente. Vemos isso na tendência de distribuir seu tempo e energia por uma gama mais ampla de pessoas, interesses ou atividades.

Independente (I) vs. Coletivo (E)

Especialmente na primeira metade da vida, os introvertidos estão mais interessados ​​em descobrir exatamente o que eles têm a oferecer ao mundo. Eles veem o autoconhecimento como um pré-requisito para a ação autêntica. Sem um mapa adequado de si mesmos, eles se sentem perdidos e sem rumo. Para os introvertidos, as circunstâncias externas são muito menos importantes do que a autocompreensão e autodireção. Depois de terem uma noção de quem são e o que deveriam fazer, sentem que podem ser felizes em qualquer lugar.

Os extrovertidos, por outro lado, estão mais interessados ​​em descobrir o que o mundo tem a oferecer. Em vez de se voltarem para a direção, eles parecem sem. Em vez de aumentar seu autoconhecimento, eles aumentam seu “conhecimento do mundo”. Enquanto o eu é o fórum do introvertido para exploração e direção, o mundo é o centro das atenções para extravertidos.

Olhando para dentro primeiro, os introvertidos podem ser vistos como mais independentes do que os extrovertidos. Em muitos aspectos, os introvertidos confiam mais em si mesmos do que no mundo.

Ao ser mais orientada para o exterior, a mente extrovertida é mais influenciada e dependente do mundo. Em alguns aspectos, extrovertidos confiam nos outros, ou mais amplamente, no “mundo”, mais do que em si mesmos.

À luz de sua mente independente, os introvertidos estão mais preocupados com a noção de autenticidade. Para eles, isso significa identificar e manter firme suas próprias preferências e convicções, mesmo quando outros estão fazendo as coisas de maneira diferente. Eles são cautelosos em “vender” ou “vender sua alma” por uma questão de conformidade ou convenção.

Os extrovertidos, por outro lado, estão mais preocupados em se encaixar ou acompanhar o que os outros estão fazendo. Para eles, a autenticidade envolve a sincronização com o mundo exterior. Se eles podem se sintonizar e se envolver com o que está acontecendo “lá fora”, eles se sentem autenticamente satisfeitos. Em muitos aspectos, os extrovertidos são mais felizes quando “se perdem” em assuntos externos. Especialmente no início da vida, eles geralmente se contentam em deixar que o mundo os defina ou direcione. Em vez de procurar interiormente a autodefinição, eles enraízam sua identidade e decisões em assuntos externos, ideias e afiliações.

Reflexão (I) vs. Ação (E)

Os introvertidos em geral, e os IJs(clique aqui para saber o significado destas letras)  em particular, tendem a refletir antes de agir. Eles abordam a vida com cuidado e cautela, a fim de evitar erros. Eles tomam usam uma abordagem do tipo: “medir duas vezes, cortar uma vez”. Isso é verdade no que diz respeito a gastar dinheiro, ter filhos, assumir compromissos externos e assim por diante. Embora os IPs certamente sejam reflexivos, sua preferência por P contribui com um elemento impulsivo que às vezes diminui ou substitui sua refletividade introvertida.

Os extrovertidos em geral, e os EPs em particular, estão menos preocupados em cometer erros. Sua estratégia é de quantidade sobre qualidade. Portanto, em vez de dedicar tempo para se preparar e se concentrar em atingir o alvo, eles simplesmente aumentam seu número de tentativas. Seja gastando dinheiro, promovendo uma nova ideia, buscando um novo interesse amoroso ou tendo filhos, os extrovertidos são geralmente menos cautelosos e conservadores por natureza. Eles estão mais dispostos a correr riscos e “se colocar lá fora”, adotando uma abordagem do tipo “agir agora, pensar depois”. Embora os EJs sejam tipicamente mais rápidos em agir do que os introvertidos, sua preferência J contribui com uma propensão ao planejamento que, de certa forma, contraria sua rapidez extrovertida.

Estrangeiros (I) vs. Cidadãos (E) do Mundo

Os introvertidos geralmente preferem um estilo de vida mais calmo e mais lento. Existem duas razões inter-relacionadas para isso. Primeiro, os introvertidos são mais facilmente dominados por estímulos externos. Eles tendem a ser mais sensíveis do que os extrovertidos, o que pode levá-los a se sentir ansiosos ou sobrecarregados quando muita coisa acontece ao seu redor. Segundo, os introvertidos preferem uma vida mais lenta e tranquila, porque isso lhes dá tempo e espaço para nutrir e reabastecer-se. O tempo de inatividade é como o ar para introvertidos. Eles precisam de tempo suficiente para recuperar o fôlego, refletir sobre a vida e explorar seus próprios interesses.

Os extrovertidos, por outro lado, estão mais à vontade e energizados pelo mundo. Ficar sozinho por muito tempo pode ser perturbador para extrovertidos, gerando sentimentos de tédio, inquietação, solidão, baixa autoestima etc. Os extrovertidos realmente se sentem mais seguros e confortáveis ​​quando sua atenção e energia são direcionadas para o exterior. Isso os ajuda a esquecer de si mesmos e a agir sem autoconsciência. Os introvertidos, é claro, são o oposto. Eles se sentem mais eles mesmos “fazendo suas próprias coisas” e mais autoconscientes quando estão perto dos outros.

Sensível (I) vs. Desinibido (E)

Por que os introvertidos são mais cuidadosos, cautelosos e independentes do que os extrovertidos? Por que eles são mais facilmente sobrecarregados por demandas ou estímulos externos?

Para obter respostas a essas perguntas, faremos um breve desvio para explorar a pesquisa de Jerome Kagan sobre temperamento, bem como o trabalho de Elaine Aron em Pessoas Altamente Sensíveis (Ou em Inglês “Highly Sensitive Person”, ou HSP).

Kagan é amplamente reconhecido por seu trabalho com base fisiológica do temperamento. Em seu livro, Galen’s Prophecy: Temperament In Human Nature (Inglês), ele detalha uma série de estudos projetados para examinar diferenças temperamentais entre bebês e crianças.

Kagan descobriu que alguns bebês eram mais sensíveis, ansiosos e vigorosos em suas respostas a estímulos externos; ele se referiu a eles como de alta reatividade. Os bebês caracteristicamente mais calmos e com menos medo foram classificados como de baixa reatividade. Kagan também estudou as características das crianças e novamente identificou dois grupos distintos: crianças inibidas e crianças desinibidas. Crianças inibidas, segundo Kagan, exibiam as seguintes características:

  • Relutância em se envolver espontaneamente com crianças desconhecidas
  • Ausência de sorrisos espontâneos com pessoas desconhecidas
  • Necessário mais tempo para relaxar em novas situações
  • Relutância em assumir riscos; comportamento cauteloso
  • Medos e fobias incomuns
  • Tensão muscular aumentada

Ao considerar esses achados, você pode ter notado algumas semelhanças notáveis ​​entre bebês de alta reatividade, crianças inibidas e o que consideramos características introvertidas. Kagan também observou essas associações, então decidiu seguir seus súditos ao longo do tempo para ver como o temperamento inato poderia se transformar em personalidade. Em geral, ele descobriu que bebês com alta reatividade e crianças inibidas continuavam exibindo características introvertidas, enquanto crianças com baixa reatividade e desinibida seguiam um caminho mais extrovertido.

A pesquisa de Kagan se encaixa perfeitamente com a de outra importante teórica, Elaine Aron. Aron é bem conhecida, especialmente entre introvertidos, por seu trabalho em Pessoa Altamente Sensível (PAS). Segundo Aron, indivíduos sensíveis são “facilmente dominados por situações altamente estimulantes ou desconhecidas”. Consistente com a pesquisa de Kagan, ela relata que aproximadamente 70% das pessoas altamente sensíveis são introvertidas.

O trabalho de Kagan e Aron fornece um ponto de partida útil para decodificar as diferenças psicofisiológicas entre introvertidos e extrovertidos. Mesmo no nascimento, os novatos introvertidos tendem a ser mais medrosos, reativos e protegidos. Eles parecem experimentar o mundo como um lugar precário, que exige vigilância para garantir sua segurança e sobrevivência. Sendo mais sensíveis e propensos à hiper-excitação, eles naturalmente buscam tempo sozinhos, encontrando segurança e conforto em seu próprio canto do mundo. Mesmo quando adultos, os introvertidos tomam medidas para se protegerem contra invasões indesejadas, mantendo uma linha de separação entre eles e o mundo.

Como os bebês com baixa reatividade de Kagan e as crianças desinibidas, os extrovertidos tendem a ser menos sensíveis e menos intimidados por estímulos externos. Isso lhes concede mais confiança para ousadamente se mover para fora e explorar o mundo diretamente, gerando seu desenvolvimento como “cidadãos do mundo”.

Nós somos uma mistura em um saco

Não existe um puro introvertido ou extrovertido. Essa pessoa estaria num manicômio.” – Carl Gustav Jung

Nós somos introvertidos ou extrovertidos. Em nossa essência, nenhum de nós é ambivertido. Isso não significa, no entanto, que todos nos apresentemos como introvertidos ou extrovertidos extremos. De fato, muitos de nós parecem mais um saco com uma mistura de E e I.

Ao pensar na preferência E-I, é útil ter em mente que todos os extrovertidos têm funções auxiliares e inferiores introvertidas, o que significa que exibirão algum grau de preocupação e foco interno. Da mesma forma, o uso de funções auxiliares e inferiores extrovertidas pelos introvertidos pode obrigá-los a (eventualmente) deixar sua marca no mundo em geral.

O impulso para o crescimento pessoal também pode levar a uma mistura de tendências E e I. Ou seja, para os introvertidos, o crescimento pessoal envolve “levar o interior (I) para fora (E)”, o que pode inspirá-los a direcionar mais sua atenção e energia para o exterior. Para os extrovertidos, o crescimento pessoal implica “trazer o exterior (E) para dentro (I)”, o que pode contribuir para um foco cada vez mais interno.

Como tantas coisas na vida exigem uma medida de extroversão, os introvertidos parecem particularmente obrigados e propensos a desenvolver suas capacidades extrovertidas. Afinal, é difícil sobreviver às interações entre escola, família, trabalho ou colegas sem algum grau de desenvolvimento extrovertido. Embora não seja necessariamente uma coisa ruim, às vezes isso pode tornar mais difícil para os introvertidos reconhecerem sua preferência E-I.

Um breve histórico da avaliação Myers-Briggs®

No trabalho de Jung, já citado aqui anteriormente, ele também observou diferenças na maneira como as pessoas coletam informações e na maneira como elas tomam decisões e chegam a conclusões sobre essas informações. Ele definiu oito padrões diferentes de comportamento normal com base nessas diferenças, que ele chamou de tipos. Jung era um homem complexo que tinha talento para desenvolver e explorar conceitos que impactaram significativamente o campo da psicologia.

Usando como base a teoria dos Tipos Psicológicos de Jung, Katharine Cook Briggs e Isabel Briggs Myers, mãe e filha, estudaram e construíram a avaliação Myers-Briggs Type Indicator® (MBTI®), eventualmente expandindo o número de tipos para 16. Elas ficaram fascinados pelas diferenças de personalidade e queriam tornar as ideias de Jung mais amplamente disponível para ajudar as pessoas a entenderem a si mesmas e aos outros.

Para saber mais sobre o Myers-Briggs Type Indicator® (MBTI®), clique aqui!

Esse foi o impulso delas para desenvolver sua avaliação. Muitas décadas depois, a avaliação do MBTI evoluiu para a ferramenta mais usada no mundo para entender e apreciar as diferenças de personalidade entre as pessoas.

A avaliação MBTI ajuda a identificar suas preferências de personalidade. Depois de fazer a avaliação, você aprende sobre a teoria por trás da avaliação e propõe quais podem ser suas preferências. Então você conhece quais quatro (das oito) preferências do MBTI você escolheu.

Essas preferências se combinam para formar seu tipo de personalidade de quatro letras (por exemplo, INFP, ESTJ etc.). A primeira letra é sempre E ou I e indica sua preferência por Extroversão ou Introversão. Depois de verificar seu tipo de personalidade de quatro letras, você poderá identificar com mais facilidade seus pontos fortes naturais, áreas potenciais de crescimento, gatilhos de estresse e muito mais.

Existem algumas maneiras de fazer a avaliação de Myers-Briggs, se você ainda não o fez. A primeira maneira é online, apenas em www.mbtionline.com. Você também pode encontrar alguém que seja um profissional certificado do MBTI que possa administrar a avaliação a você.

Eu sou certificada no Indicador de Preferências Psicológicas Instrumento MBTI® Step I™ e MBTI® Step II Myers Briggs Type Indicator®. Clique aqui para saber mais sobre mim e o meu trabalho!

Quer compreender mais acerca de si mesmo?

Clique no botão para baixar GRATUITAMENTE  agora mesmo o seu e-Book!

SOBRE A AUTORA

Eu sou Marta LeiteHumanistic Professional Coach – IHCOS®, CEO fundadora do site Introvertidamente. Sou certificada no Indicador de Preferências Psicológicas Instrumento MBTI® Step I™ e MBTI® Step II Myers Briggs Type Indicator®O objetivo do meu trabalho é transformar a vida das pessoas através do autoconhecimento. Ajudando as pessoas – as de tipo de preferência de personalidade introvertida principalmente – a desenvolverem os seus potenciais e a se sentirem confiantes.

Clique aqui para saber mais …

Fontes:

Drenth, A. J. The 16 Personality Types – Profiles, Theory, & Type Development. 2013. Inquire Books.

MBTI® e MYERS-BRIGGS TYPE INDICATOR® são marcas registradas, da MBTI® Trust, Inc. nos Estados Unidos e em outros países. Assim sendo, esta ferramenta é restrita ao uso por profissionais qualificados por empresa certificadora autorizada e reconhecida pelo detentor da marca. Nós usamos o Instrumento MBTI® Step I™ e MBTI® Step II Myers Briggs Type Indicator® fornecido pela FELLIPELLI – Instrumentos de Diagnóstico e Desenvolvimento Organizacional Ltda.