Introvertidos e as redes sociais – os efeitos da comparação social sobre nossa autoestima

Pesquisas apontam que a exposição prolongada às mídias sociais traz danos à nossa autoestima. Como isso afeta os introvertidos particularmente e o que fazer?

Você já se pegou se comparando aos outros – sejam celebridades, ilustres desconhecidos ou pessoas próximas a você – nas redes sociais? O quanto isso fez com que você se sentisse mal, inseguro e em dúvida sobre as suas possibilidades para o futuro?

Se sim, você não está sozinho. Em tempos modernos, este é um fenômeno que permeia todos nós, independentemente de onde nos encontramos no espectro da introversão-extroversão.

Pesquisas concluíram que, embora as mídias sociais possam ser uma ferramenta maravilhosa, oferecendo acesso a informações sobre uma grande variedade de pessoas e permitindo oportunidades ilimitadas de networking, há uma desvantagem potencial no uso frequente das mídias sociais. Como as pessoas usam sites de mídia social em sua vida cotidiana, elas correm o risco de superexposição a informações de comparação social ascendente que podem ter um efeito negativo cumulativo em seu bem-estar.

De que maneira nós introvertidos poderemos estar particularmente sujeitos aos efeitos negativos da super exposição às redes sociais?

No vídeo abaixo, eu trago alguns pontos importantes a serem considerados quando se é introvertido, que são:

  1. Vivendo em uma sociedade extrovertida, tenderemos naturalmente a fazer comparações sociais ascendentes dos nossos traços, características e preferências com os respectivos traços, características e preferências dos extrovertidos. O que poderá resultar em um sentimento de inadequação e deficiência.
  2. A pesquisa também concluiu que quando pessoas com baixa autoestima usam sites de mídia social para se expressar em um ambiente que parece seguro, elas podem entrar em um ciclo vicioso de receber algum apoio social, mas também sendo expostas a constante. comparação social ascendente, o que pode prejudicar ainda mais sua autoestima. Assim sendo, muitos introvertidos com problemas de autoestima que estão engajados nos grupos de apoio social do Facebook, como é o caso dos grupos de apoio para introvertidos, tímidos e até os de saúde mental, poderiam estar ainda mais vulneráveis à baixa na autoestima.

Segue abaixo o vídeo. Em seguida, texto da pesquisa traduzido para que você possa entender melhor o contexto dela e também as suas implicações.

Uso de mídias sociais e autoestima

As mídias sociais, especialmente sites de redes sociais como o Facebook, tornaram-se cada vez mais populares e difundidas nos últimos anos. O Facebook tem mais de um bilhão de usuários em todo o mundo. Os sites de redes sociais permitem que os usuários criem perfis eletrônicos para si mesmos, forneçam detalhes sobre suas vidas e experiências, publiquem fotos, mantenham relacionamentos, planejem eventos sociais, conheçam novas pessoas, comentem sobre a vida de outras pessoas, expressem crenças, preferências e emoções, bem como cumpram necessidades de pertencimento (Ivcevic & Ambady, 2012). Sites de redes sociais também podem servir de base para comparações sociais, auto-avaliação ou auto-aprimoramento (Haferkamp & Kramer, 2011)

Os seres humanos possuem um impulso fundamental para se comparar com os outros. Isso serve a muitas funções diferentes, como atender às necessidades de afiliação (Schachter, 1959), avaliar o eu (Festinger, 1954), tomar decisões (Camerer e Lovallo, 1999), inspirar-se (Lockwood e Kunda, 1997) e regular emoções e bem-estar.(Taylor e Brown, 1988).

Comparação social ascendente ocorre quando se compara a outros superiores que têm características positivas, enquanto comparação social descendente significa comparar-se a outros inferiores com características negativas (Wood, 1989). Embora a comparação social ascendente possa ser benéfica quando inspira as pessoas a se tornarem mais parecidas com a pessoa que elas admiram (Lockwood e Kunda, 1997), muitas vezes faz com que as pessoas se sintam inadequadas, tenham autoavaliações piores e efeitos negativos (Marsh & Parker, 1984). Por outro lado, a comparação social descendente pode fazer as pessoas se sentirem negativas (mostra como as coisas podem piorar) (Aspinwall, 1997); no entanto, mais frequentemente leva a melhorias no afeto e na auto-avaliação (Wills, 1981).

Tradicionalmente, as comparações sociais (em contextos offline) incluem interações pessoais com outras pessoas (familiares, colegas de trabalho etc.). No entanto, como as pessoas usam sites de redes sociais cada vez mais, a maioria de suas informações comparativas é positiva (para cima). Isso se deve ao fato de os sites de redes sociais fornecerem a plataforma perfeita para uma auto-apresentação meticulosa, permitindo que os usuários selecionem conteúdo em seus perfis, publiquem fotos e se representem da maneira ideal (Rosenberg & Egbert, 2011). Estudos recentes descobriram que usuários frequentes do Facebook acreditam que outros usuários são mais felizes e bem-sucedidos, especialmente quando não os conhecem muito bem offline. Portanto, as pessoas estão comparando seus egos off-line realistas com os egos on-line idealizados de outros, o que pode ser prejudicial ao bem-estar e à auto-avaliação (Chou & Edge, 2012). Além disso, os sites de redes sociais também oferecem informações distintas não disponíveis em configurações offline, como informações sobre a rede social da pessoa (número de pessoas na rede, quantidade de envolvimento que uma pessoa tem com os membros da rede). Assim, uma pessoa com uma rede social ativa (recebendo muitos comentários e curtidas) geralmente é vista como um objetivo de comparação ascendente em termos de popularidade, sociabilidade e capital social percebido (Vitak & Ellison, 2013).

Para você manter sua mente calma, fortalecer sua autoconfiança e sentir-se bem na sua própria pele.

Conheça os nossos cursos na UDEMY!

Curso Autoestima na Prática

Construindo Uma Autoconfiança Verdadeira em Passos Simples

Como Alterar Pensamentos Que Geram Sofrimento

Slider

Autoestima

Autoestima refere-se à avaliação positiva ou negativa de uma pessoa; isto é, até que ponto um indivíduo se vê valioso e competente (Coopersmith, 1967). A autoestima é o componente emocional avaliativo do autoconceito (Heatherton & Wyland, 2003). Além disso, a autoestima pode ser conceituada tanto como uma característica quase estável que se desenvolve ao longo do tempo quanto como um estado fluido que responde aos eventos e contextos diários (Heatherton & Polivy, 1991). Como resultado da exposição crônica ou ocasional a comparações ascendentes em sites de mídia social, pode haver um impacto negativo na autoavaliação e autoestima das pessoas. O uso diário de mídia social crônica pode afetar negativamente a autoestima das características(traço), enquanto a autoestima do estado também pode ser afetada pelo uso incidental. De fato, pesquisas mostram que as pessoas que usam o Facebook frequentemente relatam taxas mais altas de depressão e diminuição do bem-estar (Feinstein et al., 2013).

Estudos recentes

Dois estudos recentes analisaram o impacto da exposição crônica e temporária a informações de comparação social em sites de mídia social em termos do impacto nas autoavaliações e autoestima. O primeiro estudo constatou que as pessoas que usavam o Facebook com mais frequência tinham menor autoestima do que aquelas que usavam menos ou menos o Facebook. Além disso, esse efeito negativo sobre a autoestima das características é o resultado do fato de que a extensão da comparação social ascendente foi maior do que a da comparação social descendente. O que isso significa é que os usuários crônicos do Facebook experimentam um impacto principalmente negativo ao se compararem com outros que são “melhores” do que eles em termos de presença nas mídias sociais. E isso tem um impacto mais forte sobre eles do que os benefícios potenciais decorrentes de comparações sociais descendentes.

O segundo estudo examinou o impacto da exposição temporária a sites de redes sociais na autoestima do estado. Os resultados mostram que os participantes experimentaram menor autoestima do estado e pior autoavaliação após exposição a uma pessoa com uma rede social de alta atividade. Os participantes também tiveram pior autoavaliação após exposição a um objetivo de comparação saudável para cima (alguém que se apresentou mais saudável, jovem e vibrante). De um modo geral, a visualização de perfis de mídia social com conteúdo positivo (comparação ascendente em saúde, condicionamento físico, rede social ativa) resultou em pior autoestima do estado e mais avaliações negativas.

Conclusão

Embora as mídias sociais possam ser uma ferramenta maravilhosa, oferecendo acesso a informações sobre uma grande variedade de pessoas e permitindo oportunidades ilimitadas de networking, há uma desvantagem potencial no uso frequente das mídias sociais. Como as pessoas usam sites de mídia social em sua vida cotidiana, elas correm o risco de superexposição a informações de comparação social ascendente que podem ter um efeito negativo cumulativo em seu bem-estar. Além disso, quando pessoas com baixa autoestima usam sites de mídia social para se expressar em um ambiente que parece seguro (Forest & Wood, 2012), elas podem entrar em um ciclo vicioso de receber algum apoio social, mas também sendo expostas a constante. comparação social ascendente, o que pode prejudicar ainda mais sua autoestima.

Fonte do texto: Social Media Use and Self-Esteem

Introvertidos e as redes sociais - os efeitos da comparação social sobre nossa autoestima

Você pode também gostar de:

Quer compreender mais acerca de si mesmo?

Clique aqui para baixar GRATUITAMENTE  agora mesmo o seu e-Book!

A sua introversão traz algum tipo de bloqueio para a sua vida pessoal ou profissional?

Eu sou uma Humanistic Professional Coach IHCOS®, e eu ajudo introvertidos, criativos, e pensadores profundos auxiliando-os a conhecerem a si mesmos, desenvolverem autoestima, capitalizarem as suas forças pessoais e aprenderem  a como florescer em uma cultura amplamente extrovertida. Clique aqui para saber mais!

Gosta do nosso conteúdo?

Assine agora e receba mensalmente as atualizações do nosso site!

I agree to have my personal information transfered to MailChimp ( more information )

Nós não negociamos endereços de email! Você poderá sempre cancelar a sua subscrição!