Minicurso (Grátis) Primeiros Passos Para Construir Autoestima

Construindo Uma Autoconfiança Verdadeira em Passos Simples

“De todos os julgamentos, o mais importante é o que fazemos sobre nós mesmos.” – Nathaniel Branden

Segundo o maior especialista em autoestima, o psicólogo e escritor Nathaniel Branden, ter uma autoestima elevada é sentir-se confiantemente adequado à vida, isto é, competente e merecedor. Ter uma autoestima baixa é sentir-se inadequado à vida, errado, não sobre este ou aquele assunto, mas ERRADO COMO PESSOA.

Autoestima, seja qual for o nível, é uma experiência íntima; reside no cerne do nosso ser. É o que EU penso e sinto sobre mim mesmo, não o que o outro pensa e sente sobre mim. Porém, esta autoavaliação está primeiramente comprometida por pensamentos negativos e autocríticos que inconscientemente nutrimos sobre nós mesmos. Estes pensamentos criam o que podemos chamar de LIMITAÇÕES PERCEBIDAS ou IMAGINÁRIAS. E são essas limitações imaginárias que lhe geram inseguranças e pensamentos do tipo: “Eu sou um perdedor”, “Eu não sou bom o suficiente”, “Eu não sou fisicamente atraente”, “Eu sou inadequado”, “Eu nunca vou conseguir atingir isso”.

A autoestima não é tudo; mas simplesmente sem ela não há nada.” — Gloria Steinem

A grande maioria das pessoas sente-se deficiente em autoestima e autoconfiança em pelo menos um aspecto das suas vidas. Muitas delas nem ao menos gostam de si próprias. Você sente-se desempoderado, sem confiança em si mesmo, e em dúvidas sobre se conseguirá lidar com os desafios da vida. Você acaba por desenvolver uma opinião negativa acerca de si mesmo.

Você possivelmente:

  • Sente-se inseguro, sem capacidades ou qualidades positivas e se acha inferior às outras pessoas.
  • Sente-se como alguém invisível, desvalorizado e menosprezado.
  • Acha difícil amar completamente, respeitar e aceitar a pessoa que você é, por dentro e por fora.
  • Sente-se incapaz e não suficiente quando compara as suas realizações e conquistas pessoais.
  • Possui um crítico interno muito severo que vive lhe sabotando e dizendo que você nunca será nada na vida.
  • Não se sente digno de amor e merecedor de coisas positivas e agradáveis.
  • Sente que é uma pessoa que não vale a pena e que não tem nada de útil e valoroso para oferecer aos outros.
  • Não se sente competente em nada.
  • É perfeccionista e sempre acha que o que faz nunca está bom o suficiente.
  • Dá muita atenção aos seus aspectos negativos e não consegue enxergar aspectos positivos em si mesmo.
  • Evita perseguir alguns dos seus objetivos e sonhos por causa de medo e auto-dúvidas.

Confiança é crucial para uma vida feliz e realizada. Dela dependem o nosso sucesso no trabalho, na vida familiar, nas relações e até nas atividades de lazer. As nossas experiências de vida, nossos pensamentos, as nossas circunstâncias sociais, as reações dos outros as comparações do eu com os outros são alguns fatores que podem minar a nossa autoimagem. Reclamar o nosso poder pessoal requer que tenhamos uma autoimagem que reflita nossas qualidades, valores e talentos únicos. E este curso lhe proporcionará exatamente as ferramentas de que você necessita para isso.

Ser um introvertido significa ter baixa autoestima?

A autoestima é sempre uma questão de grau. Não conheço ninguém que seja totalmente carente de autoestima positiva, nem que seja incapaz de desenvolver autoestima.

Como qualquer um, os introvertidos estão sujeitos a questões com a autoestima, por razões que aqui podemos enumerar:

  • Os introvertidos tendem a ser perfeccionistas. Por melhor que seja o trabalho feito, eles tendem a não reconhecê-lo como tal.
  • Os introvertidos tendem ao ruminar excessivo de pensamentos. Quando estes pensamentos são negativos e indesejáveis, isso pode se tornar perigoso.
  • A sociedade louva os comportamentos mais extrovertidos. E isso pode gerar num introvertido uma sensação de inadequação, incompreensão e não valorização.
  • Alguns introvertidos são particularmente mais autoconscientes sobre falhas percebidas em si próprios. Em contextos específicos como trabalho e relacionamentos essa autoconsciência excessiva pode criar dúvidas paralisantes sobre sua capacidade de lidar ou não com os desafios do cotidiano.

Todos estes motivos citados anteriormente podem expor os mais introvertidos em luta para criar e manter uma autoestima em níveis saudáveis.

O que você aprenderá

  • Vencer os seus próprios pensamentos prejudiciais autocríticos e limitadores de sua própria autoestima a partir da forma como você olha, pensa e como quer viver a sua vida.
  • Manipular as autocríticas e a negatividade que você alimenta sobre si mesmo.
  • Ajustar a sua autoimagem negativa para uma imagem de si mesmo mais coerente e adequada a quem você é de verdade.
  • Parar de se sentir mal ou negativo sobre você e começar a sentir-se bem consigo mesmo e mais feliz por dentro.
  • Parar de comparar a si mesmo e sua vida com outras pessoas e suas vidas.
  • Descobrir suas forças e fraquezas de fato e uma perspetiva mais equilibrada e matizada para você e seu mundo.
  • Responder e questionar o seu próprio crítico interno, parando-o antes que ele possa prejudicá-lo e sua vida ainda mais e, em seguida, substituí-lo por hábitos mais saudáveis.

Os benefícios que obterá ao final deste curso serão

  • Ter pensamentos mais energizadores – porque aprendeu a eliminar os vieses de pensamentos distorcidos e negativos sobre si mesmo;
  • Se criticar menos – porque aprendeu a trocar a voz do seu crítico interno por uma voz interna mais compassiva;
  • Amar mais a si mesmo – porque reformulou a autoimagem negativa que tinha que era baseada em opiniões negativas de si mesmo.
  • Agarrar mais as chances que lhe surgem – porque você já reconhece suas forças e sabe como usar melhor as suas capacidades;
  • Sentir-se mais seguro nas suas relações sociais e familiares – porque você reconhece as qualidades que você traz para as suas relações com as outras pessoas.
  • Não se comparar mais com os outros – porque você já sabe que todas as pessoas possuem pontos positivos e negativos e você sabe onde precisa trabalhar para aprimorar os seus.
  • Correr riscos calculados – porque você acredita mais na sua capacidade de aprender e evoluir como pessoa.
  • Ser mais assertivo e defender a si mesmo – porque você aprendeu a se valorizar mais e a respeitar a si mesmo.
  • Se divertir mais e ter mais momentos prazerosos – porque você aprendeu a cuidar de si mesmo e reconhece e faz o que lhe traz prazer, alegria e divertimento.
  • Se enxergar como digno, valoroso e valioso que é, independente de qualquer coisa – porque percebeu que seu valor maior está simplesmente em quem você é.
  • Confiar mais em si mesmo e na vida – porque possui crenças mais ajustadas sobre quem você é e do que você é capaz.
  • Expressar a si mesmo com confiança – porque você agora se sente completo e adequado, uma vez que adquiriu um conceito e uma imagem ajustada de si.

Metodologia

Conhecendo as raízes da sua baixa autoestima

Em cada parte desse curso você assistirá a vídeos sobre os conceitos relativos à autoestima e como ela se forma. Aprenderá também a identificar as fontes da sua baixa autoestima e isso é fundamental para saber como trabalhar para melhorá-la.   Entendendo como ela funciona, você saberá quais os problemas que ela causa e o como você precisa trabalhar especificamente nisso no seu dia-a-dia

Praticando o que aprendeu

Apenas os conceitos não promovem transformação. Cada vídeo sobre conceitos vem intercalado com outro onde você terá exercícios práticos para trabalhar. Veja o vídeo e baixe o pdf para fazer os exercícios.

Então, veja os vídeos e preencha as planilhas neste curso. Não é muito trabalho extra, mas é de fundamental importância fazê-lo, e isso o ajudará para o resto de sua vida a criar e manter sua autoestima em níveis saudáveis. Faça isso por você mesmo.

Gostou do que você está lendo? Assine aqui a nossa newsletter exclusiva.

Não enviamos spams.