O poder de falar sobre os próprios sentimentos

Especialistas aconselham a falar sobre os seus próprios sentimentos, principalmente em momentos de crise. Leia e saiba mais.

Como introvertidos, nós estamos em prontidão para defender o nosso direito ao silêncio. Logo, seria de se estranhar um artigo cujo título é o poder da fala. Mas não, eu não estou aqui para lhe dizer que você deva sair do seu precioso silêncio. O que eu quero falar neste artigo é sobre a importância do introvertido sair do conforto do seu silêncio e fazer algo que é, inclusive, pouco confortável para ele: falar sobre os próprios sentimentos.

Os introvertidos são caracteristicamente reservados acerca das suas vidas pessoais, assim como o são em relação a expor as suas emoções e sentimentos. Na minha comunidade no Facebook, muitos membros relatam o quão difícil é para eles falar a respeito de si mesmos. Muitos reconhecem, inclusive, que tal dificuldade torna-se um fator potenciador de ansiedade e dificuldades nas suas próprias relações e nos seus objetivos pessoais.

Todos nós sabemos quão importante é para a nossa saúde mental e emocional expressar nossos sentimentos, emoções e necessidades pessoais. Isto é particularmente importante quando estamos atravessando momentos de crise. Há cerca de dois anos atrás, eu passei por um momento pessoal muito delicado, o que resultou em uma Depressão profunda. Foi apenas neste momento da minha vida que eu percebi o quanto a minha dificuldade em falar sobre minhas angústias tinha me levado tão fundo. Portanto, se expressar seus sentimentos é algo delicado para você até nos momentos de crise, considere agir de uma forma diferente.

Especialistas aconselham falar

Os especialistas aconselham  falar  depois de uma crise, independentemente de serem pequenas, grandes, pessoais ou nacionais. Porque é uma das nossas capacidades terapêuticas naturais. Usamos nossas palavras para expressar o que queremos e precisamos, e o mesmo deve ser para nossos sentimentos. Por exemplo, quando criança, usamos nossas palavras para dizer aos nossos pais se algo está errado, para que eles possam nos ajudar a consolar e a corrigir. Isso não muda quando somos adultos. Falar pode nos ajudar de várias maneiras, especialmente se o nosso trauma ou problema estiver em andamento, for inesperado ou não tiver uma resposta fácil.

Quer compreender mais acerca de si mesmo?

Clique no botão para baixar GRATUITAMENTE  agora mesmo o seu e-Book!

Razões para conversar

  1. Isso nos dá uma sensação de “fazer” alguma coisa. Falando, estamos fazendo algo ativo, não passivo e estamos buscando uma conexão.
  2. Falar nos dá a oportunidade de “ouvir” a nós mesmos e “escutar” a nós mesmos. Isso nos dá a oportunidade de ajustar nossos pensamentos e sentimentos. Ouvir-nos dizer: “Eu não posso suportar mais um dia disso” pode nos levar a acrescentar, “A menos que eu consiga ajuda”, ou “Mas eu vou”.
  3. Por último, falar nos ensina que pensamentos e sentimentos são geralmente menos ameaçadores quando os dizemos em voz alta para os outros, em vez de pensarmos sobre eles em particular.

Se você precisar conversar, procure alguém que possa ouvir. No entanto, nenhum ouvinte fará isso bem. Isto é especialmente verdadeiro se o seu estresse é contínuo, inesperado e não tem uma resposta fácil, como uma perda emocional, um problema relacionado ao trabalho, uma crise de amizade ou um problema de saúde.

Dicas sobre como escolher um ouvinte

  1. Escolha um ouvinte que respeite sua privacidade e permita que você assuma a liderança na conversa. A última coisa que você precisa é ter seus problemas divulgados em público. Se você não estiver pronto para falar ou talvez tenha esgotado o assunto para o dia, a semana ou o mês e o ouvinte continuar atualizando o tópico ou pedindo para saber das novidades, não tenha vergonha de dizer que prefere não fazer isso. Fale sobre o seu problema agora, e que você sabe que eles estão lá, se você precisar deles.
  2. Encontre um ouvinte que não vai assumir o controle da conversa. Às vezes, os ouvintes sentem a necessidade de se relacionar e discutir seus próprios problemas. No entanto, fazer com que outra pessoa assuma a conversa pode aumentar sua sensação de estar sobrecarregado, desamparado ou fora de controle. Em vez disso, você pode agradecer-lhes por contribuir e explicar que é o ouvido que você precisa, não a mão deles.
  3. Por último e mais importante, escolha um ouvinte que tenha passado pela mesma situação ou por uma situação semelhante. Sua experiência anterior pode lhe dar outra camada de conforto. Precisa de ajuda para encontrar um ouvinte?

Geralmente, você pode encontrar pessoas para conversar e dar suporte a grupos para problemas específicos. Pode consultar o seu médico, ou também um terapeuta. Em alguns casos, você pode até pesquisar organizações nacionais on-line para problemas específicos.

E você, costuma procurar alguém para falar sobre seus sentimentos fora ou dentro de um contexto de crise?  Deixe aqui o seu comentário!

A sua introversão traz algum tipo de bloqueio para a sua vida pessoal ou profissional?

Eu sou uma Humanistic Professional Coach IHCOS®, e trabalho com introvertidos, criativos, e pensadores profundos auxiliando-os a conhecerem a si mesmos, desenvolverem autoestima, capitalizarem as suas forças pessoais e aprenderem  a como florescer em uma cultura amplamente extrovertida.

Quer compreender mais acerca de si mesmo?

Clique aqui para baixar GRATUITAMENTE  agora mesmo o seu e-Book!

A sua introversão traz algum tipo de bloqueio para a sua vida pessoal ou profissional?

Eu sou uma Humanistic Professional Coach IHCOS®, e eu ajudo introvertidos, criativos, e pensadores profundos auxiliando-os a conhecerem a si mesmos, desenvolverem autoestima, capitalizarem as suas forças pessoais e aprenderem  a como florescer em uma cultura amplamente extrovertida. Clique aqui para saber mais!

Gostou do que você está lendo? Assine aqui a nossa newsletter exclusiva.

Não enviamos spams.