Quando tiver os seus limites pessoais ultrapassados, o que fazer?

Como introvertido, como definir os seus limites pessoais e defender o seu terreno para o que você não quer e não aceita? Leia e entenda!

Todos nós temos vários graus de limites, que é o que iremos aceitar ou não. Nossos limites são comumente encontrados em nossas rotinas. Embora essas fronteiras estejam arraigadas em nós, muitas vezes esquecemos de usar as mesmas bases para estabelecer limites com as pessoas em nossas vidas. E às vezes temos que adotar limites mais fortes para certas pessoas.

Você já passou pela experiência de notar que as pessoas por vezes começam a tirar vantagens suas só por que você é aquela pessoa mais calada, que está sempre dizendo “sim”, que faz de tudo para evitar conflitos? Já sentiu ressentimento por achar que possa estar dando mais do que recebendo em alguma das suas relação? Já ouviu falar no termo pessoas tóxicas ou relacionamentos tóxicos?

Algumas pessoas são mais propensas a doar, enquanto outras mais a receber, mas a maioria de nós está no meio. O que acontece quando encontramos pessoas que são extremas, esgotando nossa energia e tempo?

Quer admitamos ou não, todos queremos ser bem aceitos até certo ponto. Mas essa necessidade não pode atrapalhar sua segurança e sua saúde. Como você define os limites como introvertidos e defende seu terreno para o que você não quer e não aceita?

Por que as pessoas estão frequentemente ultrapassando os seus limites pessoais?

É possível que extrovertidos também tenham os seus limites pessoais ultrapassados, mas há duas razões pelas quais os introvertidos são mais propensos a isso.

1. Você é generoso com o seu tempo.

Todos podemos concordar que a generosidade é um traço de caráter admirável. Mas cuidado: pessoas tóxicas podem ser atraídas por pessoas gentis e generosas.

Elas ficarão com você se você estiver disposto a largar tudo o que estiver fazendo para dar-lhes atenção, responder a todos as mensagens e atender prontamente às  suas ligações. Como elas exigem mais do seu tempo, você se afoga em ressentimento.

2. Você é tranquilo.

Você diz que algo está bem se quando não está bem?

Quero dizer, coisas como manter a calma mesmo em situações difíceis. Você tenta fazer com que os outros se sintam à vontade com seus gracejos espirituosos porque você é gentil, paciente e não agressivo.

3.  Você é avesso aos confrontes e conflitos.

Como introvertidos, nós tendemos a não lidar bem com conflitos e confrontos, seja nas nossas relações pessoais quanto nas profissionais. Por vezes isso pode até ser confundido com fraqueza, mas na verdade não é. Antes de tudo, nós introvertidos, principalmente os mais sensíveis, prezamos muito a harmonia nas nossas relações, por isso entrar em discussões e desentendimentos é sempre uma situação particularmente difícil para nós.

Uma vez que somos percebidos como fracos, pessoas tóxicas tenderam a querer tirar proveito da nossa tendência mais pacificadora e harmoniosa.

4. Você tende a não expressar as suas necessidades pessoais.

Pensa muito antes de expressar uma necessidade pessoal questionando até a validade dela?

Por vezes não valorizamos as nossas próprias necessidades e nem damos prioridades à elas. Fazemos isso mantendo os nossos pensamentos privados até sermos convidados a falar. Esperamos que os outros nos façam perguntas, em vez de expressar o nosso descontentamento nós mesmos.

Isso pode levar a outra pessoa a supor que o comportamento dela não nos afeta, uma vez que não nos rebelamos contra isso.

Quer compreender mais acerca de si mesmo?

Clique no botão para baixar GRATUITAMENTE  agora mesmo o seu e-Book!

“Ousar estabelecer limites é sobre ter  a coragem de amar a nós mesmos até quando corremos o risco de desapontar os outros.” — Brené Brown

Como os introvertidos podem definir melhores limites

Uma vez que as pessoas tóxicas estão entrincheiradas em sua vida, pode ser difícil se libertar delas. No entanto, você pode aprender a estabelecer limites pessoais melhores para impedi-las de tirar mais de você do que deveriam. É claro que é mais fácil dizer do que fazer, mas mesmo alguns passos na direção certa podem fazer uma grande diferença. Aqui estão cinco etapas que você deve seguir.

1. Conheça seus limites.

Como é que você pode defender algo que você nem ao menos sabe o que é? Até que ponto aceita interferências dos outros na sua vida? O que você tolera ou permite vindo de pessoas que fazem parte da sua vida?

Antes de se envolver em uma situação, saiba o que é aceitável para você e o que não é. É melhor ser o mais específico possível, ou você pode acabar dando mais do que recebe ou sendo manipulado sem mesmo se dar conta.

2. Conheça seus valores.

Quem é você e o que você defende? Os limites de cada pessoa são diferentes e muitas vezes são determinados por seus valores pessoais. Por exemplo, se você valoriza privacidade, alguém que ultrapasse esse seu limite vai interferir diretamente em algo que é um valor importante seu. Você defende alguma causa social? Alguém com posições contrárias pode significar uma relação difícil ou inviável para você.

Seja claro sobre o que é verdadeiramente importante para você em sua vida. Seja claro sobre seus valores mais importantes. Use seus valores para orientar suas decisões em relação às opiniões ou expectativas dos outros. Use isso para ajudá-lo a estabelecer limites claros na sua vida.

3. Ouça suas emoções.

Se você perceber sentimentos de desconforto ou ressentimento, não os enterre. Tente entender o que seus sentimentos estão dizendo a você. O ressentimento, por exemplo, pode frequentemente ser atribuído a sentimentos de que alguém está tirando proveito de você.

Quando uma pessoa tóxica (ou qualquer outra pessoa!) Cruza seus limites, você pode sentir-se forçado a sair de sua zona de conforto, ou pode se sentir irritado, nervoso ou oprimido. A chave é reconhecer que você está experimentando esses sentimentos por um motivo. São placas de sinalização que dão informações importantes sobre você e sua situação atual.

4. Tenha respeito próprio.

Se você sempre ceder aos outros, pergunte se você está mostrando tanto respeito a si mesmo quanto você mostra os para outros. Limites que são muito abertos podem ser devido a tentativas equivocadas de ser apreciado elevando as necessidades de outras pessoas acima das próprias.

5. Fique à vontade dizendo não.

Algumas pessoas entenderão sua necessidade de limites saudáveis sem que você precise dizer nada. Isso geralmente acontece quando as pessoas são semelhantes em suas personalidades, estilos de comunicação e abordagem geral da vida. Com outras pessoas – especialmente pessoas tóxicas – você terá que soletrar exatamente o que precisa ou quer, e educadamente, mas com firmeza, dizer não.

Quando você sabe que é hora de definir um limite, não seja tímido. Diga “não” respeitosamente, mas sem ambiguidade. Se você puder assumir um compromisso pessoal de respeitar os seus próprios limites, faça isso. Lembre-se de se questionar se quando diz um “sim” para alguém não pode estar dizendo “não” para si mesmo. Isto é um boa maneira de suavizar o “não”, amenizando o sentimento de culpa.

6. Deixe de lado a culpa.

Quando os limites de um relacionamento são fracos por um tempo, e você começa a bater o pé, há duas coisas que normalmente acontecem: há reação da outra pessoa, e  isso faz com que você se sinta culpado.

Lembre-se de que é normal se sentir culpado em uma situação como essa – mas você não precisa viver em sua culpa. Em vez de refazer o drama em sua mente, faça um pouco de exercício de autocuidado. Ande sozinho, faça exercício, saia na natureza ou faça qualquer outra coisa que faça você se centrar novamente.

Se alguém quiser falar sobre o drama do que aconteceu, não vá até lá, porque isso mantém o estresse vivo. Educadamente, diga à outra pessoa que você está saindo da situação e prefere não falar sobre isso.

Lembre-se de que suas necessidades são válidas. Você está cuidando de si mesmo, o que é algo que todos nós devemos fazer acima de tudo.

E você, tem cuidado dos seus limites pessoais ou isso é algo difícil para si? Deixe aqui o seu comentário!

Beijos.

Marta Leite

Foto de Isaiah Rustad em Unsplash

A sua introversão traz algum tipo de bloqueio para a sua vida pessoal ou profissional?

Eu sou uma Humanistic Professional Coach IHCOS®, e trabalho com introvertidos, criativos, e pensadores profundos auxiliando-os a conhecerem a si mesmos, desenvolverem autoestima, capitalizarem as suas forças pessoais e aprenderem  a como florescer em uma cultura amplamente extrovertida.

Gostou do que você está lendo? Assine aqui a nossa newsletter exclusiva.

Não enviamos spams.